Últimas

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Acidente com Sarney

Acidente com Sarney 


Recebida às 20:10, hoje 12.01.16, Marquinhos Regadas que socorreu Sarney no helicóptero da Franere

Empresário Marcos Regadas Filho

Foi graças ao empresário Marcos Regadas Filho, o Marquinho, que o ex-senador José Sarney recebeu um atendimento rápido, após cair hoje (12) dentro do banheiro na sua Ilha de Curupu.

Marquinhos prestou socorro a Sarney indo buscá-lo no helicóptero da Franere, que pertence a sua construtora. Ele recebeu uma ligação quando estava na empresa, pedindo que fosse até a Ilha para levar o ex-senador ao hospital.

Percebendo que se tratava de uma urgência, Regadas saiu às pressas da construtora e foi em casa buscar o helicóptero.

Foi o próprio empresário que pilotou a aeronave e pousou numa área na Praia de São Marcos, em São Luís-MA, onde já estava uma ambulância à espera de José Sarney, que foi encaminhado para o Hospital UDI, onde passa por exames.  

Leia Mais...

Acidente com Vitima Fatal Próximo a Uauá-BA

Acidente com Vitima Fatal Próximo a Uauá-BA


Recebida às 18:47, hoje 12.01.16, Acidente com vitima fatal próximo a cidade de Uauá-BA, Pessoa de Pré Nome; Albino. 
Leia Mais...

Corpo de Caseiro Encontrado em Fazenda Próximo ao Mandacaru II

Corpo de Caseiro Encontrado em 


Fazenda Próximo ao Mandacaru II 
]




Por voltas das 08:00 do dia 13.01.2016, POLICIAIS MILITARES DA 75ª CIPM foram avisados por populares do Povoado do Mandacaru II, que na fazenda Boa Esperança, havia um corpo, já sem os sinais vitais, de Edvaldo Alves de Macedo, 55 anos, natural de Araripe-CE. Familiares informaram que no dia anterior sentiram sua falta. Cabe acrescentar que a vítima era caseiro da fazenda e que a causa mortis foram lesões causadas por pedaço de pau, tipo porrete. A autoria e motivação do delito são desconhecidas.
Leia Mais...

Cabo da PM tenta subornar policiais e é presa por corrupção ativa

Cabo da PM tenta subornar policiais e é presa por corrupção ativa

Segundo a Polícia Civil, a PM ofereceu dinheiro na tentativa de liberar o namorado dela, Adam Adam Vilhena, que foi detido por posse de drogas
quarta-feira 13 de janeiro de 2016 - 12:56 PM
Thiago Monteiro - DEZ Minutos /


Manaus - A cabo da Polícia Militar (PM) Celeste Magalhães Brasil, 47, foi presa ao tentar subornar policiais da 11ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) com R$ 1.150, na madrugada de hoje (13), na Rua Brasília, bairro Coroado, zona leste. Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Civil, a PM ofereceu dinheiro na tentativa de liberar o namorado dela, Adam Adam Vilhena, que foi detido por posse de drogas.
Conforme informações de um Boletim de Ocorrência (BO) registrado no 9º Distrito Integrado de Polícia (DIP), policiais militares estavam realizando um patrulhamento na região quando abordaram o carro da PM, um Corolla, placa OAF-2653, cor não divulgada, que estava em atitudes suspeitas.
A assessoria de imprensa da PC informou que durante a revista no veículo, os policiais encontraram uma porção de maconha e R$ 1.150 em espécie. Segundo a PC, nas diligências, o namorado da policial afirmou que a droga encontrada no veículo pertencia a ele.
Consta no documento do 9º DIP, que no caminho a delegacia, a cabo da PM ofereceu propina aos policiais para libera-la e ao chegar no distrito policial foi autuada por corrupção ativa.
Celeste foi levada ao Batalhão de Guardas da PM, no bairro Santa Etelvina, zona norte, onde aguarda uma audiência de custódia. Um Inquérito Policial Militar (IPM) foi instaurado pela polícia.
O depoimento da PM e do namorado dela não foram disponibilizados pela Polícia Civil.
Adam assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO), por posse de droga e responderá o crime em liberdade.

Segundo a Polícia Civil, a PM ofereceu dinheiro na tentativa de liberar o namorado dela, Adam Adam Vilhena, que foi detido por posse de drogas
quarta-feira 13 de janeiro de 2016 - 12:56 PM
Thiago Monteiro - DEZ Minutos /





Leia Mais...

Policiais militares são presos acusados de tentar matar cabo da Marinha

Policiais militares são presos acusados de tentar matar cabo da Marinha

Crime no dia 21 de dezembro teria sido motivado por ciúmes. Um dos PMs é atual companheiro da ex-noiva da vítima

AMANDA RAITER
Rio - Dois soldados da PM, lotados na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Fazendinha, no Complexo do Alemão, foram presos nesta quarta-feira acusados de tentar matar o cabo da Marinha Frederico Leon Vidal Pedrosa, de 22 anos, na saída de uma casa de shows no bairro Colégio, na Zona Norte.
O crime, ocorrido no dia 21 de dezembro na casa de shows Toriba 22, na Estrada do Barro Vermelho, teria sido motivado por ciúmes. Um dos policiais, o soldado Carlos Antonio Monteiro Souza Junior, de 30 anos, é atual companheiro da ex-noiva da vítima. Em depoimento, o marinheiro negou ter contato com a ex desde o término do relacionamento e no dia do crime estava acompanhado de outra jovem. Frederico levou três tiros, na mão, costas e lombar. Ele passa bem e se recupera em casa.
Carlos e o outro policial, Thyago Ivan da Silva, 27 anos, ainda respondem inquérito por uma agressão que teria ocorrido no mesmo dia em um pagode na Penha, também na Zona Norte. Eles foram presos em casa por policiais da 40ª DP (Honório Gurgel) e da Corregedoria da PM. Contra os dois policiais foram cumpridos mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão, expedidos pela Justiça. Na ação foram apreendidos munições e armas de brinquedo.

Leia Mais...

Sem recuo de manifestantes, PM repetirá estratégia de dispersão no próximo ato

Sem recuo de manifestantes, PM repetirá estratégia de dispersão no próximo ato

13/01/2016 17:53

Compartilhe:
Imprimir:
Após manifestantes serem dispersados com bombas de efeito moral e de  gás lacrimogêneo antes mesmo da saída da última passeata contra o  reajuste da tarifa do transporte público, o Movimento Passe Livre (MPL)  decidiu que não vai informar antecipadamente o trajeto das manifestações  organizadas pelo grupo. A medida confronta o secretário da Segurança  Pública (SSP), Alexandre de Moraes, que determinou que a Polícia Militar  defina o percurso do protesto, caso ele não seja comunicado com  antecedência pelo movimento.
O impasse entre a SSP e o  MPL, que historicamente decide o percurso no decorrer da passeata, deve  acirrar os ânimos entre a manifestantes e policiais nos próximos  protestos. "A gente não vai fazer ato nenhum com o trajeto ditado pela  polícia. A gente tem direito de fazer manifestação e a PM tem o dever de  garantir", afirmou Luíze Tavares, porta-voz do movimento. "Eles podem  mandar os caveirões (blindados), colocar a Rota na rua, que a gente não  vai sair. Não tem repressão que vá acabar com essa jornada."
O  secretário Alexandre de Moraes afirmou que a Polícia Militar vai  garantir o direito de manifestação, mas sem que isso provoque prejuízos  para quem não faz parte do ato. "Deve haver o aviso prévio para que as  autoridades, não só as policiais, possam organizar a cidade", disse. "A  partir do momento em que não se comunica qual vai ser o trajeto, nós  vamos estabelecer o traçado para evitar confusão com milhões de pessoas  que não participam da manifestação."
A negativa do MPL de  seguir o percurso determinado pela PM no protesto da Avenida Paulista,  na região central, foi o motivo apontado por Moraes para que a PM  atuasse antes mesmo de a passeata começar. "Em todos os atos, há uma  pessoa destacada pelo movimento para negociar o trajeto, mas não é uma  prática informar o trajeto antes da concentração", disse Luíze. "O que  aconteceu é que a PM fechou todas as ruas e só deixou a Consolação  livre. Não teve diálogo, eles estavam irredutíveis."
Na  visão de Moraes, a alternativa oferecida pela PM não impedia o direito  de o MPL protestar. "Em vez de quererem se manifestar, eles preferiram  tentar romper o bloqueio e ir para a Avenida Rebouças, que não estava  preparada para manifestações. Em virtude disso, houve necessidade de  dispersão", afirmou. Segundo afirma, o secretário estadual entrou em  contato com prefeito Fernando Haddad (PT) pedindo que fosse feita uma  limpeza extra na Consolação, para que não ficasse lixo na rua que  pudesse ser queimado durante o ato.
A porta-voz do MPL  classificou a atuação policial durante o protesto como "forte,  desnecessária e gratuita". Policiais usaram bombas de gás e de efeito  moral e circularam com o novo blindado israelense, equipado para  dispersar tumultos, pelos arredores da manifestação. Viaturas da Rondas  Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), a tropa de elite treinada para  ocorrências mais perigosas, também foram para a concentração, na Praça  do Ciclista.
"Com certeza eles tentaram intimidar, a  polícia trabalha com a questão do medo. O primeiro diálogo que o governo  estadual e a Prefeitura querem propor é colocando dez policiais para  cada manifestante na rua", disse Luíze. "Mas a gente acredita que isso  não vai enfraquecer as próximas manifestações." Questionado, Alexandre  de Moraes considerou o aparato policial "absolutamente necessário".
Leia Mais...

"Policiais agrediram com violência", diz estudante ferido durante protesto

"Policiais agrediram com violência", diz estudante ferido durante protesto

Luis Segura foi agredido nas costas e na cabeça por PMs em ato
Jovem foi agredido nas costas e na cabeçaReprodução/Arquivo Pessoal
O estudante de jornalismo Luis Segura foi uma das pessoas agredidas por policiais militares durante o protesto contra o aumento da tarifa do transporte público, nesta terça-feira (12), na avenida Paulista. Ele foi atingido nas costas e na cabeça.
Segundo ele, tudo começou antes da concentração para o ato. Os policiais formavam um cordão de isolamento na avenida Paulista, que estava fechada nos dois sentidos, e manifestantes eram impedidos de chegar ao protesto.
— Eu estava conversando com dois amigos que estavam comigo na concentração quando ouvimos as explosões das primeiras bombas. Apesar de estarem fechando a avenida Paulista, os policiais começaram a reprimir os manifestantes fazendo com que eles corressem na direção da própria paulista, deixando um grande grupo de pessoas acuado e cercado, inalando gás lacrimogêneo e sendo ferido por estilhaços de bombas. Muita gente passou mal sem conseguir respirar.
O estudante diz que, quando começaram as bombas, ele e os amigos tentaram correr em direção à Paulista. Mas “um cordão de policiais que estava na lateral esquerda começou a agredir gratuitamente os manifestantes com os cassetetes”.
— De cara, já tomei uma porrada nas costas, que me fez abaixar. Nisso, um segundo policial me agrediu com o cassetete na cabeça. No meio da correria, consegui entrar em um prédio comercial junto a um grupo de manifestantes. Mas o gás lacrimogêneo entrou dentro do prédio e começamos a sufocar nas escadas.
O estudante, que é presidente do Centro Acadêmico Inês Etienne Romeu, da Universidade Metodista, também publicou um relato no Facebook da organização. Lá ele diz que a PM formou vários bloqueios em todas as vias de acesso à Consolação no sentido Centro.
— A direção do Movimento Passe Livre, que tradicionalmente define o trajeto de seus atos na hora, tentou dialogar com a polícia e fazer com que o ato seguisse pela Rebouças.
A PM teria recusado e tentou forçar a manifestação a seguir pela Consolação. Lá, os policiais estavam posicionados para reprimir o ato.
— A partir daí, iniciou o conflito. Bombas de gás e de efeito moral foram disparadas gratuitamente contra jovens que se reuniam pacificamente no local.
Ele também diz que “os policiais agrediram [os manifestantes] com violência, usando escudos e cassetetes”.
— Diversas pessoas ficaram feridas por balas de borracha e estilhaços de bombas. Até mesmo um "caveirão" do Choque estava sendo usado pela polícia para reprimir o ato.
Por meio das redes sociais, outras pessoas denunciaram abusos por parte da PM. Segundo o secretário de Segurança Pública, Alexandre de Moraes, as denúncias feitas de abusos da polícia serão apuradas.
Leia Mais...

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Viatura da Força Tática capota em rodovia e policiais ficam feridos

Viatura da Força Tática capota em rodovia e policiais ficam feridos

Carro aquaplanou na rodovia João Baptista Cabral Rennó em Bauru (SP).
Policiais militares foram socorridos com ferimentos leves.

Três policiais militares da Força Tática ficaram feridos após capotarem com a viatura policial na rodovia João Baptista Cabral Rennó (SP-225), na noite deste domingo (10), em Bauru (SP).
De acordo com a Polícia Rodoviária, o acidente aconteceu por volta das 22h. O motorista informou que chovia no momento do acidente, quando a viatura aquaplanou em bolsões de água que se formaram na pista no quilômetro 235.
O motorista perdeu o controle do veículo, colidiu contra uma placa de sinalização e capotou em seguida. Os policiais que estavam na viatura foram socorridos por uma unidade de resgate da concessionária e encaminhados para o pronto-socorro com ferimentos leves.
Leia Mais...

Dupla vai vender droga a policiais e vai presa na Capital

Dupla vai vender droga a policiais e vai presa na Capital

Jovens de 21 anos acabaram detidos por tráfico de drogas em Campo Grande                                                                                                                                     A Polícia Civil, através do Setor de Investigações Gerais, prendeu em flagrante por tráfico de drogas dois jovens de 21 anos no bairro Tiradentes, em Campo Grande. Segundo os investigadores, eles estavam à paisana, quando se depararam com uma situação suspeita no bairro.

Os policiais visualizaram um veículo Fiat Punto de cor branca e os autores se dirigiram até o referido veículo. Na intenção de evitar uma fuga, a equipe estacionou a viatura descaracterizada em frente do carro, mas esse conseguiu rapidamente se evadir do local.
Os traficantes por sua vez, se dirigiram até o veículo que os policiais estavam, acreditando que também seriam usuários e perguntaram se queriam algo. “Querem erva (maconha) ou óleo (pasta base de cocaína)?”, teriam dito, segundo BO.
Enquanto um dos jovens ficou ao lado do veículo, o outro correu até um imóvel de esquina que estava abandonado e retornou com sete porções de pasta base. Em certo momento, o primeiro orientou os policiais para que apagassem os faróis com o objetivo de não chamar a atenção. Diante do fato, os dois foram presos em flagrante por tráfico de drogas.

Leia Mais...

Viatura da Força Tática capota em rodovia e policiais ficam feridos

Viatura da Força Tática capota em rodovia e policiais ficam feridos

Carro aquaplanou na rodovia João Baptista Cabral Rennó em Bauru (SP).
Policiais militares foram socorridos com ferimentos leves.

Três policiais militares da Força Tática ficaram feridos após capotarem com a viatura policial na rodovia João Baptista Cabral Rennó (SP-225), na noite deste domingo (10), em Bauru (SP).
De acordo com a Polícia Rodoviária, o acidente aconteceu por volta das 22h. O motorista informou que chovia no momento do acidente, quando a viatura aquaplanou em bolsões de água que se formaram na pista no quilômetro 235.
O motorista perdeu o controle do veículo, colidiu contra uma placa de sinalização e capotou em seguida. Os policiais que estavam na viatura foram socorridos por uma unidade de resgate da concessionária e encaminhados para o pronto-socorro com ferimentos leves.
Leia Mais...

Menor é morto ao tentar assaltar policiais na Baixada Fluminense

Menor é morto ao tentar assaltar policiais na Baixada Fluminense

Caso aconteceu na noite de segunda-feira numa lanchonete em Belford Roxo

O DIA
Rio - Um menor foi morto acusado de tentar assaltar três policiais na noite de segunda-feira, perto da Rodovia Presidente Dutra, na altura de Belford Roxo, na Baixada Fluminense. Segundo informações do 39ºBPM (Belford Roxo), os PMs estavam numa lanchonete na Avenida Doutor Carvalhães, quando foram abordados pelo adolescente e por um comparsa.
Houve confronto e um policial acabou sendo ferido por estilhaços e o menor baleado não resistiu aos ferimentos e morreu. O outro suspeito conseguiu fugir e a ocorrência ficou sob responsabilidade da Polícia Rodoviária Federal.
Leia Mais...

'Filho de procurador' que tentou intimidar policiais é solto após pagar R$ 880 de fiança

'Filho de procurador' que tentou intimidar policiais é solto após pagar R$ 880 de fiança

Ele foi preso dirigindo embriagado
  • O motorista colidiu na traseira do Celta, que estava estacionado (Foto: Sidrolândia News)
  • O homem de 33 anos, preso na manhã de domingo (10) após colidir na traseira de um carro estacionado na Avenida Mato Grosso, na frente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), embriagado, foi solto na segunda-feira (11) após pagar fiança. Durante a prisão, ele tentou intimidar os policiais, alegando ser filho de um procurador do Estado.
    Conforme consta no processo, na segunda-feira foi arbitrada fiança de um salário mínimo, R$ 880, pelo Judiciário. O valor foi pago pelo indiciado, que responderá processo em liberdade. Suspeito de provocar acidente de trânsito, por volta das 7 horas de domingo, o homem tentou coibir a ação dos policiais militares que atenderam a ocorrência, dizendo ser filho de um procurador do Estado, fato que não impediu que ele fosse preso em flagrante.
    Ainda há informação que, após ser preso e encaminhado para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro, o homem de 33 anos ainda ofendeu os companheiros de cela. O preso teria dito que não ficaria na cela com 'bandidos' e teve que ser isolado, para evitar problemas com os outros detentos. 
    Consta no Tribunal de Justiça o processo de 'Auto de Prisão em Flagrante' de Bruno Trindade Camatte, da 4ª Vara Criminal da Capital. Ele que teria tentado intimidar os policias que efetuaram sua prisão. A reportagem do Jornal Midiamax tentou contato com o Procurador do Estado citado por Bruno como seu pai, porém não obteve sucesso até o fechamento desta matéria. 

    Acidente 

    O acidente aconteceu por volta das 7 horas, quando o autor colidiu o Fiat Uno, placa NRN-0983, de Campo Grande, na traseira de um veículo estava estacionado do lado direito da avenida. Dentro do carro, um Chevrolet Celta, estava um jovem de 20 anos, que dormia no banco de trás no momento da colisão.
    Com o impacto, o rapaz sofreu ferimentos graves e foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros para a Unidade de Saúde do Coronel Antonino. Uma equipe do BPTran (Batalhão da Polícia Militar de Trânsito) foi acionada e assim que chegou ao local percebeu que o autor do acidente estava em visível estado de embriaguez. Ele recebeu voz de prisão e no momento em que foi detido, ficou nervoso e começou a chutar a viatura.
    Para evitar uma agressão os policiais algemaram o homem que ainda tentou intimidar os militares, alegando que era filho de um procurador do Estado e iria tomar as “providências necessárias contra a guarnição da PM”. Ele também se negou fazer o teste etilômetro, mas como apresentava sinais de embriaguez foi encaminhado para a Depac Centro.
    Além disso o Fiat Uno estava com os documentos atrasados e por isso foi recolhido para o pátio do Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul). O caso registrado como conduzir veículo automotor com capacidade psicomotora alterada em razão da influência de álcool ou de outra substância psicoativa que determine dependência e lesão corporal culposa na direção de veículo automotor.
    Leia Mais...

    Policiais paraguaios reconhecem suspeito de matar jornalista e auxiliar

    12/01/2016 10h07 - Atualizado em 12/01/2016 10h31

    Policiais paraguaios reconhecem suspeito de matar jornalista e auxiliar

    Paraguaio estava na lista de procurados pela Polícia Internacional (Interpol).
    Estrangeiro foi preso em Pato Branco, no Paraná, com documentos falsos.


    Agentes de inteligência da polícia paraguaia estiveram em Pato Branco, no sudoeste do Paraná, e reconheceram Flávio Acosta Riveros, preso no sábado (2). O estrangeiro estava na lista de suspeitos procurados pela Polícia Internacional (Interpol) por uma série de crimes como o envolvimento na morte de um jornalista do jornal paraguaio ABC e de uma assistente no repórter.
    Ainda segundo os agentes, por enquanto o paraguaio de 30 anos deve permanecer preso no Brasilpor causa do uso de documentos falsos brasileiros e por tentar matar a mulher com quem vivia no Brasil. Ele é suspeito de ter cometido outros dez homicídios. Entre as vítimas estão um policial paraguaio e um policial do Mato Grosso.
    Riveros, que se fez passar por Flavio Valério de Assunção, estava morando no Centro de Pato Branco quando foi preso por policiais civis. A Interpol já foi comunicada sobre a prisão do paraguaio procurado. Ele deve ser extraditado para o Paraguai.
    Segundo o delegado Getúlio de Moraes Vargas, uma denúncia anônima informou onde o suspeito estava morando na cidade. “A minha equipe estava vigiando esse rapaz desde sexta-feira, após recebermos essa denúncia. Pela manhã, os policiais o abordaram e ele apresentou documentos falsos. Na delegacia, ao verificarmos os dados descobrimos que esse homem é procurado pela Justiça paraguaia por homicídio doloso”, detalhou o delegado.
    O crime contra o jornalista Pablo Medina, correspondente regional do jornal ABC Color, ocorreu em 16 de outubro de 2014. Medina voltava de um trabalho no estado de Canindeyú quando foi assassinado. A assistente dele, uma jovem de 19 anos, também foi morta.
    Medina investigava a participação de um ex-prefeito da cidade de Ypejhú em crimes de tráfico de drogas e homicídios. Antes de ser morto, o profissional já havia recebido diversas ameaças de morte e até 2013 ficou sob proteção policial. O ex-prefeito, apontado como autor intelectual dos crimes, foi preso em 2015 em Caarapó, no Mato Grosso do Sul.
    Leia Mais...

    Policial civil e filho morrem após briga de trânsito com tiros em São Paulo

    Policial civil e filho morrem após briga de trânsito com tiros em São Paulo

    Jovem se envolveu em acidente de trânsito em São Miguel Paulista.
    Quatro homens atiraram no jovem, no pai e na tia, que também é policial.

    Do G1, em São Paulo
    Um policial civil da Delegacia Estadual de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) e o filho dele morreram após uma briga de trânsito neste domingo (10) em São Paulo.
    De acordo com a polícia, o jovem se envolveu em um acidente de trânsito na Rua Manuel Rodrigues, altura do número 150, travessa da Córrego do Limoeiro, em São Miguel Paulista. Após a batida, houve uma confusão e o jovem ligou para o pai.

    O policial foi ao local junto com a irmã, que também é agente carcerária do 62º DP (Ermelino Matarazzo). Os dois se identificaram como agentes policiais. Em seguida, um outro veículo apareceu e pelo menos quatro homens atiraram nos policiais civis.

    O policial e o filho dele morreram no local, e a agente carcerária sobreviveu. Pouco depois, um jovem de 21 anos, Lucas Pinheiro de Carvalho, deu entrada no Hospital Ermelino Matarazzo baleado. Ele é suspeito de ter participado da troca de tiros.
    Equipes procuram na região os outros suspeitos. O caso foi registrado na DHPP
    Leia Mais...
    Editado por - Grupo Bizolhudo